sábado, 27 de fevereiro de 2010

Viva a Alegria, no Lar de Sta Maria


Hoje, dia 15 de Fevereiro, nós, voluntários dos grupos mensal e ocasional mascarámo-nos e levámos um pouco da diversão do Carnaval a quem nem sempre a tem, aos nossos idosos do lar.
Pode parecer estranho, Carnaval e idosos é uma combinação pouco normal… Mas nós fomos para além disso e passámos uma tarde muito animada, onde apenas um rádio com músicas de Carnaval e boa disposição foi o essencial.
Não é fácil por pessoas de 80 anos a dançar, mas quando começam não param, conseguindo dar-nos o melhor dos ritmos, o dos sorrisos que nos transmitem.

Consideramos ter sido mais uma missão cumprida.
Que venha a próxima, nós estaremos lá.
Por: Sílvia Ferreira
(em breve as fotografias)

Um dia diferente...


Como todas as semanas faço, às sextas-feiras, lá estou eu e os meus cinco colegas (Joana, Carolina, Ana, Miguel e Marcelo), às 14:00 horas, prontas a passarem uma horinha com aquelas pessoas a quem já tanto nos habituámos. Mas, nesta sexta foi uma hora um pouco diferente de todas as outras… enquanto esperávamos uns pelos outros à porta do lar, vimos sair sete dos utentes, prontos para irem para a festa de Carnaval, mascarados à piratas. Lá iam todos contentes. Apesar de já sabermos da existência daquela festa, que se realiza anualmente, foi uma surpresa ver aquelas pessoas que para nós já tanto nos dizem, saírem do lar prontas para irem para a discoteca.
Sem hesitarmos quisemos logo ir com eles para a festa… pensámos que uma tarde diferente daquelas a que estamos habituados seria bom, muito bom. E assim foi. Por volta das 14:15, lá estávamos nós a caminho da Casa do Cais (local onde se realizou a festa), prontos para ajudar a proporcionar àquelas pessoas uma tarde mais divertida. E com toda a certeza posso dizer, que tanto para mim, como para os meus colegas foi muito bom. Divertimo-nos imenso, dançámos com muitas das pessoas presentes na festa que mesmo sem nos conhecerem nos vinham puxar o braço, sempre prontos para dançar mais um pouco.Alguns deles até estavam com mais energia do que nós.
Foi uma experiencia muito divertida e gratificante, porque conseguimos perceber que aquelas pessoas estavam felizes, e para nós é bom pensar que de alguma forma, mesmo com um simples gesto contribuímos para a sua felicidade.
Por: Joana Vitorino